sábado, 23 de julho de 2011

Memórias de um criado mundo


Apresentação I
Enquanto leem tentem imaginar quem está narrando esta história.
Farei por capitulos , então não esperem o resultado todo de uma vez. 
Espero que gostem, assim como também gostarei de saber  a opinião de voces. 
Apresentação II
" o velho com cara de novo "
Restaurar é.........recuperar um objeto que está  velho imprimindo-lhe um visual novo, moderno, até mesmo antigo,  que agrade e combine com o estilo e necessidades do seu proprietário.
Restaurar é..........repaginar aquele móvel velho, que muitas vezes não queremos nos desfazer, por ser de qualidade ou de valor sentimental, ...........
.............ou seja reformando ou restaurando, sempre buscando novas técnicas, materiais que muitas vezes mesmo inusitado dá um efeito legal.
Capitulo 1
Minha origens
Fiquei por um tempo, como que adormecido, não tenho nehuma lembrança de um determinado periodo de tempo, nem mesmo sei precisar por quanto tempo fiquei assim neste estado totalmente abandonado, envelhecido , até ficar totalmente destruido e abandonado na rua.
Mal consigo me lembrar o que sou eu, mas aconsigo me lembrar do local onde fui abandonado, era uma esquina de rua dentro da favela.  Também me lembro do nome  da empresa que me construiu, é isso mesmo, me construiu, não sou um ser humano, sou uma peça de mobiliário, aqui em São Paulo sou conhecido como criado mudo, posso ter outro nome em outras regiões do País. 
Sobre minhas origens sei dizer que fui construido pelas Industrias de cama patente , também sei que muitas vezes fiz par decorativo com a famosa cama de mesma marca.
Quando fui pra linha de produção  tinha carcteristicas bem definidas e consideradas elegantes e modernas para a época, hoje sou consiiderado vintage o que também é muito bom, pois se bem conservado , sou bem apreciado pois tenho valor de mercado. Ser vintage está na moda  novamente. Então estou me sentindo a própria Fhenix, já entenderá o que quero dizer com se sentir como a fheniz, pois através de fotos e narrativas, além de entender o que aconteceu comigo, verás que literalmente renasci. Além do que acho que minhas lembranças e narrativa serão  util para qualquer pessoa que tenha um ideal de preservação e sustentabilidade do meio ambiente. 
Então, voltando as minhas caracteristicas tenho todos os traços de um móvel de época, mais especificamente art´decô  e como devem saber  este periodo foi muito importante na história do mobiliario e da arquitetura e também coincide com a inauguração das " Industrias de cama patente", de onde chego a conclusão que sou da década de 30, então tenho aproximadamente 70 anos, ou seja sou idoso e no estado em que fui encontrado estava praticamente morto, só por milagre continuaria a existir.

Eis uma foto minha, de quando fui encontrado 
 Na verdade aqui já estou até bem, pois já estou até com um tampo improvisado.
quando fui encontrado estava sem uma lateral e o tampo de cima. 
CapituloII
Por onde andei !!??!!

Esta é uma pergunta que não quer se calar.
Até onde me lembro, sai da fábrica, fui para uma loja onde, claro, fui comprado por alguém e levado para sua casa, fui colocado ao lado de algum móvel elegante, não me recordo, talvez tenha sido ao lado de uma cama. 
Acredito que no periodo em que estive nesta casa fui muito útil, até o momento em que fui substituido.
Não sei bem o porquê de ter sido substituido e não me recordo se fui vendido novamente,  ou doado e nem por qual motivo sai de minha função nesta casa.
Fico aqui pensando, será que foi por ter caido de moda ?
Fui substituido por algum móvel mais moderno ?
Será que ao ser substituido fui parar em um lar mais modesto, ou fiquei sempre no meu lar original até ser jogado na rua ?
Bem, se fui para um lar mais pobre, o que não me recordo, lá não fui bem cuidado.

Em minha memória real, é que a partir deste momento em que fui recolhido em uma avenida, dentro da favela, mais precisamente a av. Condessa Amália rubiano, Jd. Pery, SP., esta  favela tem o nome  de " favela do flamingo", eu me encontrava em um estado deplorável, apenas o que chamava a atenção sobre mim, eram meus belos pés de madeira maciça e linhas retas e clássicas, o restante estava em péssimo estado, meu folheamento com muitas partes soltas, faltava me parte do meu tampo, estava sem prateleira interna também já não tinha uma de minhas laterais.
CapituloIII
Meu próvavel destino


               Bem, ai chegar neste estado deplorável  já sabia de meu destino final,  pois  estava eu ali misturado ao entulho obstruindo a calçada e com certeza após  permanecer algum tempo  por ali, eu seria recolhido pelo cata bagulho em alguma destas operações de limpeza promovida pela prefeitura e então sereia descartado  em algum dos ecopontos da cidade depois eria destruido por completo, isto nas melhores das hipóteses.Porque afinal por estar na sargeta, também poderia ir parar no leito dio rio guaraú que passa ali pertinho, entro da favela do flamingo, para isto bastaria que algum moradorresolvesse limpar a esquina por conta própria
eme jogar no rio. Ou então esperar porumaboachuva,que a enxorrada que encarregaria de me   levar até lá.
              A partir de uma situação como esta eu também teria minha parcela de culpa quando houvesse uma enchente destas que causam grandes estrago, ajudaria a entupir uma boca de lobo. mesmo que contra minha vontade estaria agredindo a natureza e prejudicando pessoas.
              Bem ,como disse este teria sido o meu fim e o desta estória.
Capitulo IV
Novo destino 

              Mas o que eu nãopodia imaginar,é que neste mundo existe pessoas que conseguem ver além do que está realmente sendo mostrado. pessoas que gostam de arte, valorizam as qualidades , a belezamesmo quando não dá pra ver, são capazes de imagina, e com isto gostam de recilcar, não para economizar somente, e sim pelo prazer de imprimir personalidade aos objetos e resgatar valores como qualidade, durabilidade e modéstia parte eu tenho estas caracteristicas e tenho também uma historia e mesmoestando um bagaço ainda tenho opoder de atrair olhares sobre mim.
           Foi neste pondo de minha existência , neste estado deplorável que chamei a atenção de alguém, foi quando um carro parou proximo de mim e sua motorista e acompanhante , sem pensar duas vezes  e rindo muito do que iam fazer,me jogaram na caçamba, daquela pick-up.
            A motorista  propôs a si mesma um desafio, me recosntuir usando apenas materias alternativos e que fossem reciclaveis ou de custo acessivel.
            Que felicidade, que felicidade , vou ser recosntuido, vou renascer das cinzas.......
Capitulo V
Real Valor 
 Ao me recolher para me reformar, a motorista estava admirando minhas caracteristicas, pois sou de linhas retas, pés quadrados e fortes,madeira maciça, então ela quis saber mais sobre mim,e ao ver atraz uma pequena etiqueta com o nome do fabricante, pesquisou a respeito . Foi ai que soube o periodo em que fui fabricado e pelas minhas caracteristicas , chegou a conclusão que faço parte do perido da ART Deco .
             A motorista em questão gosta muito de móveis antigo e sempre que chega em suas mãos um móvel velho ou destruido como eu , ela costuma reformar ou restaurar dependendo muito da situação de cada objeto e diga se de passagem para ela para reformar saomente quando não dá para restaurar pois gosta muito de preservar as caracteristias originais dos móveispois eles contam a história de uma epoca bem como também fazem parte do modo de viver de um individuo.
               Bem, como ia dizendo,por ela valorizasr móveis antigos, costuma sempre ver as etiquetas nos móveis para poder identificar sua aprocedencia, valor de mercado como peça de mobiliário ou antiguidade.
                E não éque para minha felicidade eu possuointernamente em minha porta a etiqueta de meu fabricante. Com estes dados em mãos, a minha socorrista  vasculhou pela internet em busca de informações a meu respeito. e quão grata surpresa  foi descobrir que sou umvintage, tenho valor agregado.
                  Sabe, as vezes as pessoas não tem noção do que fazem,ou não dão valor ánada. Digo istoporque meu último donome usou , não me conservou e ainda por cima me descartou de forma irregular.
                    Agora imaginem se meu antigo proprietário , diga se de passagem,provavelmente uma pessoacom orçamento apertado,falo assim porquecomo se lembram fui encontrado denro da favela, provavemente meu dono mora por perto, e se ele imaginasse que valia uma graninha, teria cuidado melhor de mim, ou me vendido enquanto estava inteirão e neste ponto  eu poderia ter ajudado .E sou capaz de apostar que uma graninha extra iria lhe ajudar,era só ter me vendido enquanto dava,afinal muitos profissionais procuram por móveis antigos para compor a decoração de amrmol.


Capitulo VI
Opinião Pessoal.
.Em se falando de móveis concordo com a apropaganda que móvel não tem que ser bichinho de estimação, mas também não acho legal ambientes decorados parecendo que foram padronizados,é só sair de uma casa e ir na do vizinho que os móveis são todos iguais.É a   industria moveleiraque ditando regras faz com  que as pessoas achem que tudo deve seguir uma moda, quando na realidade eles estão preocupado em vender em grandes quantidades para obter o máimo possivel de lucro,então  no custo beneficio acabam por não imprimir personalidade em seus móveis e para baratear na hora de vender acabam usando material de pe´sssima qualidade, e para vender bem.é tudo em lojas populares onde tudo é comprado a perder devista,o móvel dura pouco, e logo vai parar no lixo,éa industria trabalhando contra a natureza.Acho tão impessoal estes ambientes onde tudo está padronizado, com linhas totalmente retas, sem caracteristicas que definam os  moradores.
Acho que um bom móvel antigo, como eu por exemplo, quando reformado ou restaurado e estratégicamente colocado emum determinado ambiente, traz aconchego, leveza charme e elegancia, não é preciso ter todos os móveis elhos dentro de casa, basta ter uma peça de personalidade.Por isto sou a favor de sermos reformados, apesar que a dica que dou é de levar em conta alguns detalhes, tais como :
a qualidade e durabilidade, o valor de mercado deste móvel, claro que o valor sentimental também conta né, pois alguns de nós somos peças de herança familiar.
Também vale a pena considerar o custobeneficio, pois se for um móvel fulerinho, não vai valer a pena gasatar com material para reformar, vai mesmo valer a pena comprar um novo.
Capitulo VII
A partir de agora ..............
                  ............Vou registrar aqui, como foi o passo a passo para me reconstruir a partir do  omento em que fui recolhido na dita esquina.
Bem como havia dito a proposta éra a de me recosntruir  uando materiais recicláveis, de baixo custo, e fáceis de encontrar. 
O aprimeiropasso foi reconstruir minha lateral,e o jeito foi pegar o meu tampo e pregar na lateral .
esta tampa foi pregada nesta lateral aberta.

Então foi retirado todas as partes solta do meu folheamento que era de cerejeira,toda a superficie foi nivelada com massa acrilica e depois lixada. 
Então foi feito a paietagem com jornal e cola caseira,nesta lateral , por dentro e por fora, para que a superficie ficasse unida, em seguida fui todo pintado internamente com tinta marrom,para poder receber a papietagem com coador de café usado e depois envernizado.
criado mudo iternamente fiquei assim por dentro.
Também foi colocado dentro de mim,uma prateleira, uma tábua que oportunamente foi encontrada na rua e atinha as medidas exatas, só foi preciso revestir com a técnica de coador de café usado e dar acabamento com verniz.
Para fazer o meu tampo,foi colado em mim,um madeirite finoque tinha disponivel, por perto, e para ficar nivelado com o restante de mim,foi colado bandejas de isopor,para dar altura,  
esta base ficou muito boa e resistente.
Então fiquei todo paietado com jornal por dentro e por fora,somente meus pés ficaram com as caracterisitcas originais na madeira.



Com o passar do tempo, essa técnica se aperfeiçoou e hoje serve não apenas para a confecção de máscaras, mas para o feitio de qualquer objeto, desde formas simples de uma só face como a papietagem de pratos até formas mais complexas que devem ser “papietadas” dos dois lados e depois unidas, como esculturas.
Como fazer?
Usam-se diversas camadas sobrepostas de jornal (ou folhas de revista) e cola caseira (grude) que são coladas sobre uma base qualquer produzindo uma estrutura firme depois de seca.
O jornal deve ser rasgado em pequenos pedaços sem o uso da tesoura para a melhor junção das fibras.
Qualquer objeto pode ser usado como forma, depois subtraído da máscara. Mas podemos usar também uma estrutura permanente feita de papelão, plástico, madeira, etc.
Receita da cola caseira (ou grude):
Para cada 1 colher (de sopa) de farinha de trigo, usa-se 1 xícara de água.
Dissolver a farinha de trigo na água e levar ao fogo mexendo para não embolar.
Para que o grude tenha maior durabilidade recomenda-se o uso de algumas gotas de desinfetante (Pinho Sol) ou formol.

É necessário pintar com uma cor de fundo similar  a cor do tecido que for usar, e també musar cola  base PVA.
Caso este acabamento tivesse ficado bom,teria sido dado uma demão de cola branca diluida em água antes de envernizar para que o tecido não  ficasse manchado.

Se tivesse ficado bom, o revestimento teria encerrado por aqui o trabalho tendo o cuidado de não utizilar o verniz, e sim cola branca diluida em água, para o acabamento já que o verniz iria amarelar o tecido e estragar o trabalho.Como não fiquei a contento, fui papietado novamente desta vez utilizando a técnica de revestimento com coador de café e fiquei assim :




Bem como  disse naSci de novo, ae mais do que isto, voltei a servir como um bom e velho criado mudo, agora estou reformado e repáginado, sou útil e decorativo.


CAPITULO IX
              Conselhos úteis  na hora de reformar.
                              * Ao revestir com tecido é importante aplicar uma demão de tinta na cor do tecido, aguardar secar, e colar o tecido com cola branca.
*Não usar verniz sobre o tecido pois este amarela o tecido. 
                          *Após fazer pátina com base PVA, ou acrilica use somente verniz 100%      transparente , não esqueça ao verniz modificará a cor para um tom acima.
            * Se a pátina for com tinta esmalte não é necessário envernizar. 
                            *Para envernizar use rolinhos amarelos(estes são de baixa densidade) ou pincéis de cerdas macias
                           *Rolinhos de espuma cinza são de média densidade e deixará marcas de bolhas no verniz
*respeite o intervalo de secagem  para cada acabamento .


FIM